Finazzi destaca carinho por Corinthians, relembra polêmica com arbitragem e ‘mágoa’ com Mano em 2007

O ex-atacante Finazzi, que teve passagem pelo Corinthians em 2007, relembrou com carinho seus momentos no Parque São Jorge. O hoje treinador, destacou que vestir a camisa do clube foi um dos melhores momentos de sua carreira e um sonho realizado dentro de sua família.

"A Ponte (Preta) é um dos clubes, mas eu tenho muitos clubes que eu tenho momentos inesquecíveis. Por exemplo, o Corinthians. Foi a realização de um sonho de toda a família, apesar de ter pego o momento mais difícil do clube, eu tive um desempenho muito bom", relembrou Finazzi em entrevista ao podcast A Rodada, do Lance!.

Em toda sua passagem pelo Timão, Finazzi disputou 39 jogos pela equipe alvinegra, marcando 16 gols com a camisa do clube. Em 2007, foram 13 gols marcados; já em 2008, três.

"Tem uma coisa que eu gosto de falar, até para me defender desse negócio do rebaixamento, eu estou entre os maiores artilheiros da história do Corinthians por aproveitamento. Eu tive 20 chances de gol e marquei 16, então 80% de aproveitamento, é muito difícil. Os grandes ídolos, campeões e tal, às vezes não têm essa performance. Por isso que eu sou bem quisto pela torcida do Corinthians. É difícil falar onde foi melhor, mas cada um tem sua importância", pontuou o ex-atacante.

Finazzi deixou o Corinthians em junho de 2008, durante a disputa da Série B daquela temporada. O jogador não foi muito aproveitado pelo então técnico Mano Menezes e seguiu carreira no São Caetano. O ex-atleta relembrou a saída do Timão.

"Se eu pudesse permanecer por um bom tempo no Corinthians… Eu fiquei muito chateado na minha saída porque ninguém quer ir embora do Corinthians, ninguém quer sair do Corinthians. Se eu pudesse escolher, gostaria de ter permanecido por mais tempo. Agora, por que fiquei pouco tempo? Alguns motivos. Eu estava bem, eu queria jogar, e eu acho normal o jogador ficar bravo porque quer jogar. Tudo dentro de um limite, e eu como jogador, muitas vezes passei desse limite. Por isso fui embora", relembrou Finazzi.

O ex-atleta, porém, acredita ter tido razão na "briga" com o então treinador. Finazzi relembrou a cronologia de sua perda de espaço na equipe após a chegada de Herrera, mas destacou não ter mágoas com Mano Menezes pela situação.

"A situação no Corinthians, eu acho que eu estava com um pouco mais de razão. O pessoal pergunta se eu tenho mágoa do Mano Menezes. Não. Eu não tenho mágoa, eu acho que é uma situação do futebol. O negócio dele não era comigo. Ele levou o Herrera, que era meu parceiro, gente boa, bom jogador, mas eu vivia um momento melhor. Era artilheiro do Campeonato Paulista, junto com Adriano Imperador, no São Paulo, e Alex Mineiro, no Palmeiras. Sou artilheiro do campeonato, Mano trouxe o Herrera, e ele queria colocar ele para jogar. Primeiro era provar que o Herrera tinha condições, porque estava todo mundo pegando no pé dele (Mano)", falou.

"O Herrera foi fazer gol na Série B, onde ele deslanchou. Mas ficou um período grande sem marcar no começo, por isso a torcida falava isso daí (quase gol). Ele quis me tirar quando eu sou o artilheiro do campeonato. Eu acho errado, acho que tinha que esperar uma situação melhor ou pôr os dois para jogar junto. Quando ele me tirou, eu reclamei. E ele me colocou para treinar, estava com tendinite, o que é uma dorzinha normal, deu a desculpa que era para eu melhorar na parte física. Para jogar, eu tomo um remédio e vou para o jogo", seguiu Finazzi.

"Agora, para treinar a parte física, então eu vou tratar. E ele inventou uma situação que ia me deixar fora um mês, que ia aplicar algo no joelho para a cartilagem. Então, assim, foi uma situação que não achei correta, não foi na hora certa, mas que eu entendo. O negócio do Mano não tinha nada a ver comigo, são coisas do futebol. Era um jogador que disputava posição contra um cara que ele queria provar para as pessoas que a contratação foi certa. Eu vejo dessa maneira. Acho que é tudo do futebol, tudo normal. Agora, Finazzi ficou satisfeito? Claro que não. Queria ter ficado no Corinthians, queria ter ficado. Mas a situação é essa, bem transparente", encerrou o ex-jogador.

Desfalque de Finazzi em jogos decisivos antes da queda para a Série B e polêmica com arbitragem

A temporada 2007 foi a pior na história do Corinthians. Ao final daquele ano, o Timão amargurou uma queda para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro. Apesar do bom momento vivido pessoalmente, Finazzi fez parte do elenco que ficou marcado pelo ocorrido.

"A gente fica marcado por um momento. Queria ter vivido um título, mas muita gente vincula a imagem do Finazzi com o rebaixamento, mas quem acompanhou de perto sabe tudo o que eu fiz, qual foi meu desempenho dentro daquele campeonato. Muita gente lamenta os dois jogos finais, que eu não participei. Eu realmente vinha num momento muito bom", relembra.

"O antepenúltimo jogo foi em Goiás. Naquela partida, eu acho que estava como capitão do Corinthians, porque quando eu vou falar com o árbitro, eu questiono uma situação que, tava no começo do jogo, acontece dois lances de carrinho para os dois lados, e ele dá a falta contra o Corinthians. Eu sou contra isso de falar com a arbitragem, mas ia questionar isso dos dois lances serem iguais. Eu fui sair correndo e, quando ele me vê correndo, olha e me dá o amarelo. Com esse cartão, eu sabia que tinha dois amarelos e estava fora do jogo contra o Vasco", continuou Finazzi.

Depois do jogo contra o Goiás, que terminou em 1 a 1, o Corinthians enfrentaria o Vasco da Gama – em duelo que terminou 1 a 0 para os cariocas; e depois, o Grêmio, na fatídica partida que acabou empatada em 1 a 1.

Finazzi ficou de fora do jogo contra os gaúchos após ter sido punido pelo STJD. O jogador deixou o campo fazendo um sinal de roubo com as mãos, se queixando da atitude do árbitro Alício Pena Júnior – que também apitou a última partida do Timão, contra o Grêmio. Até o mês de abril de 2022, Alício era presidente interino da Comissão de Arbitragem da CBF.

"Eu fiquei transtornado, porque eu não podia ficar fora de um jogo importante como esse. A torcida começou a gritar, provocar, e por eu ser de lá (Goiás), e eu queria ganhar o jogo e tudo mais, eu faço aquele gesto. E isso me tirou do jogo contra o Grêmio também. Mas acho que o jogo principal era contra o Vasco. Foi onde tivemos muitas oportunidades, o momento que vivia era muito bom. Acho que dava para fazer os gols e, quem sabe, livrar do rebaixamento. Já o jogo contra o Grêmio, era um jogo mais difícil. O Clodoaldo, que entrou no meu lugar, acabou fazendo o gol. Mas era um jogo mais complicado. Mas a história foi assim. Guardo com carinho a passagem, lamento ter vivido esse momento, mas foi muito bom ter passado pelo Corinthians", encerrou Finazzi.

Notícias relacionadas

Notícias relacionadas Jô assegura permanência de Willian no Corinthians e sai em defesa de Róger Guedes Corinthians tem queda drástica de desempenho sem Fagner; veja comparativo Elenco do Corinthians volta ao CT e diretoria inicia busca por respostas para queda de produção

Veja mais em: Ex-jogadores do Corinthians.