Segunda perícia contratada por Rafael Ramos reafirma: jogador do Corinthians não disse ‘macaco’

Saiu o laudo da segunda perícia contratada por Rafael Ramos, lateral do Corinthians, do caso que é acusado de ter cometido uma suposta injúria racial contra Edenilson, do Internacional. E, assim como a primeira do Centro de Perícias de Curitiba, a conclusão é de que o jogador português não proferiu a palavra “macaco”.

O documento, inicialmente publicado pela Gazeta Esportiva, e que o portal Meu Timão também teve acesso, é assinado pelo perito forense e auditor Fernando De Pinho Barreira, da The Perfect Link Forensics. A empresa especializada em perícia forense em diversas áreas.

De acordo com o documento, o laudo informa que Rafael Ramos disse a expressão “F…, mano, c…”, que possui oito sílabas e oito fonemas, diferentemente do que teria sido ouvido por Edenilson, “F…, macaco”, que possui seis sílabas e seis fonemas.

“A comparação entre os fonemas de ambas as expressões demonstra, além da diferença de extensão da pronúncia (dois fonemas a mais), diferença de tonicidade, sobretudo na segunda palavra, pois o segundo fonema da palavra “macaco”, o fonema “ˈka” é tônico, diferentemente do segundo e último fonema da palavra “mano”, o fonema “nu”, que é átono”, informa.

O documento emitido pela The Perfect Link Forensics tem 44 páginas, foi produzido após análise de três vídeos e foi concluído no último dia 2 de junho. Três dias antes, Rafael Ramos prestou depoimento no Superior Tribunal de Justiça Desportiva, onde reafirmou que jamais proferiu a palavra macaco.

Vale lembrar que a Polícia Civil do Rio Grande do Sul também investiga o caso na esfera criminal. A perícia solicitada pela Polícia será concluída e deve ser entregue ainda nesta sexta-feira.

Veja mais em: Diretoria do Corinthians e Rafael Ramos.